Exposições

Pedro Quintas - apontamentos

Pedro Quintas apresenta nesta exposição uma seleção de pinturas e fotografias de pequena escala que o artista intitula de “Apontamentos”. “Apontamentos”, porque na realidade estas peças pontuam, e por isso representam o percurso do artista. Normalmente habituado a trabalhar em escalas maiores, estas pequenas pinturas servem de pesquisa para novos caminhos ou para amadurecer ideias existentes e ou em prática.

Tal como a pintura, a fotografia ocupa uma parte importante no trabalho de Pedro Quintas. Normalmente, e como na pintura, as fotografias são apresentadas em escalas maiores. No entanto, o artista apresenta-nos aqui estas duas expressões em pequeno formato como um diário visual, onde as composições que o despertam são captadas sem o rigor mimético, mas mesmo assim – e talvez por isso – com toda a expressividade. Este tipo de registo fotográfico é uma atividade diária e constante na pratica artística de Pedro Quintas e serve igualmente para estudar novas possibilidades na fotografia ou mesmo indicações para a pintura. Uma – a pintura – não é separável da outra – fotografia -, sendo por isso natural, e até de certa forma, aconselhável, que fotografias e pinturas sejam apresentadas ao público, simultaneamente. Só assim este consegue ter um entendimento mais  abrangente da obra e, acima de tudo, da experiência do artista.

Alguns trabalhos são como sementes que, organicamente, dão origem a novos trabalhos e assim sucessivamente podendo este processo ficar concluído, ou não. Outros apontamentos sobrevivem por si só. Não são estéreis, mas não necessitam de uma desmultiplicação, pelo menos não imediato. Muitos são por vezes recuperados anos mais tarde. Não obstante este carácter didáctico, experimental, académico que atribuímos aos apontamentos e aos diários visuais – como estudos para “a obra” (e como se existissem obras menores que outras numa escala muito própria de medição da legitimidade das obras em se afirmarem enquanto tal) – as peças e o processo encontra-se encerrado. As obras aqui apresentadas assumem-se, não obstante os nossos conceitos, acabadas. Está tudo consumado.

Pedro Quintas nasceu em Lisboa em 1972, onde vive e trabalha. Concluiu o Curso Avançado de Artes Plásticas do Ar.Co em 2001 e tem desde então apresentado com regularidade trabalhos de pintura, fotografia e vídeo.

Entre diversas participações em exposições podemos destacar, Sincronías: Artistas Portugueses na Coleção António Cachola - Curadoria de Isabel Pinto e Patricia Machado | MEIAC | Museo Extremeño Iberoamericano de Arte Contemporaneo, Badajoz - España (2013), Entre memoria e o Arquivo - Curadoria de Ruth Rosengarten | Museu Colecção Berardo, Lisboa (2013), Não te posso ver nem pintado - Curadoria de Eric Corn | Museu Colecção Berardo, Lisboa (2008), Quel Air Clair... - Obras da colecção do Ar.Co / Parte II - Curadoria de Manuel Castro Caldas | Palácio Galveias, Lisboa (2008), Desenhos no Século - Continuação 3 - Curadoria de João Pinharanda | Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa (2003).

Pedro Quintas está representado em diversas coleções públicas e privadas, como a Colecção Museu Berardo,  Colecção António Cachola, Colecção PMLJ,  entre outras.

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link