Exposições

Nikias Skapinakis - Quartos Imaginários II

Project Room
6 Novembro a 23 Dezembro 2010

Nikias Skapinakis - Quartos Imaginários II
"Os Quartos Imaginários desenvolvidos a partir de 2001 descendem, de um  ponto de vista formal, da série “Paisagens Imprevistas”, das quais  conservam um espaço delimitado pelo desenho a negro.
Embora, em alguns casos, integrem elementos iconográficos, projectam, sobretudo, um ambiente relacionado com a minha interpretação  da vida e obra de autores – pintores, poetas, escultores – que  especialmente aprecio e que gostaria de ter conhecido." Nikias Skapinakis
 
A primeira série de “Quartos Imaginários” foi apresentada em  2005 na Fundação Arpad Szènes-Vieira da Silva em Lisboa e repetida na  Galeria Fernando Santos no Porto.
Do respectivo catálogo constam textos de Michel Butor, Vasco  Graça Moura e Bernardo Pinto de Almeida. A série integrou o filme de  Jorge Silva Melo “Nikias Skapinakis - O Teatro dos Outros” realizado em 2008 para a RTP2 e editado em DVD pela MIDAS.
 
A segunda série, agora apresentada, é constituída por peças  posteriores às exposições referenciadas (2006) e do catálogo desta segunda série consta texto de Fernando Rosa Dias de que publicamos um excerto:
“O atelier e o quarto são lugares peculiares de produção do imaginário, lugares de suspensão da quotidianidade e de formulação e  abertura de uma dimensão onírica e mítica (que se apresenta com  predominâncias tanto mitográficas como mitológicas, tanto em imagem como  em discurso), portanto, um imaginário produzido que, por seu lado, é  produtor e agente da criatividade.. São,por princípio, lugares de  intimidade que obrigam a um determinado pudor de privacidade. Há um similar acto de intrusão, na invasão seja de um quarto de outro, seja num atelier de outro. Nikias caminha entre estes dois refúgios e sonhos: do refúgio do seu atelier abre-se a uma evocação do refúgio do quarto de outro. A anuência para tal intrusão encontra-se na escolha afectiva  que está no desejo de comunicar com o sonho do outro. A intimidade do  corpo, do sono e do sonho (quarto) é análogo ao da intimidade da criação e da imaginação (atelier): «O quarto funciona como um atelier  embrionário», afirmou Michel Butor num espaço de reflexão sobre os  quartos de Nikias expostos numa Casa-Museu que tinha sido atelier e,  certamente, também quarto de um famoso casal de artistas (Arpad Szènes-Vieira da Silva)  e aí expôs-se, entre outros, mas com sentido específico, um dos títulos da série: O Quarto Secreto de Vieira e Arpad (2005).”

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link