Exposições

josé almeida pereira - louro

“O título é sempre mais uma cor na paleta” - Marcel Duchamp

O termo louro, que dá o nome a esta exposição, advém da semelhança figurativa de um ícone – uma coroa de louro – presente no trabalho que preenche parte do chão do espaço da galeria. Na realidade a imagem surge da apropriação duma porção de um emblema que contém a figura estilizada de dois ramos de oliveira – símbolo da paz.
No entanto esta imagem é de tal forma sintética que se confunde com uma coroa de louro. A coroa de louro é por sua vez metáfora da vitória e do triunfo, sinal de honorificação e homenagem àquele que é bem sucedido, que se distingue (herança da antiguidade grega). O signo é repetido quatro vezes em cada um dos módulos que correspondem aos mosaicos quadrangulares que desenham o piso da galeria onde se apresenta o trabalho. Alinhados a 90º no sentido das diagonais do quadrado, os signos são distribuídos pelos vértices do enquadramento.

Louro é também a designação familiar de papagaio. Parte da figura desta mesma ave serve-me para elaborar o flyer da mostra. Assim, o termo louro liga-se ao signo das folhas de loureiro que constituem uma das obras da exposição, e à imagem do papagaio que é representado no convite, estabelecendo um diálogo de conceitos como: vitória, triunfo, ornamento (função a que se prestam as folhas de loureiro), condimento (outra finalidade atribuída ao loureiro), repetição e imitação (característica de alguns papagaios), e ainda a cor que oscila entre o amarelo e o castanho-claro.
Acredito que o papagaio é a alegoria que faz convergir as diferentes peças desta exposição. É na verdade o único retrato explícito com ligação à mostra, uma cabeça enquadrada de forma a cortar parte do bico da ave, como se o discurso, sempre patético, fosse motivo de censura. O fragmento do papagaio louro de bico negro é o único complemento aos corpos, representados em parte das telas, que não permitem vislumbrar os rostos dos retratados. É o crânio que não figura no tronco e membros do hipomorfo dourado; é o cérebro dos uniformes, de fato e gravata, que se congratulam na “União”; é a cara que não aparece no túnel de fundo de “Sem título (that’s all folks)”; e é o indivíduo emblemático que se oblitera do centro de “In god we trust”.
 
Para completar as obras, é visionada, numa sala contígua à primeira (que exibe os trabalhos atrás referidos), uma animação-vídeo que não é mais do que um bailado de marcas de empresas privadas de produtos de consumo. Um bailado em desenho animado, sem cor, apenas com o contorno das formas. A morfologia de toda a animação resulta da função flyper que o ícone da Nike adquire no filme, colocando um dos vértices da marca no centro do ecrã e duplicando o símbolo simetricamente, sendo este vértice o equivalente ao eixo de simetria, o resultado são dois braços contíguos. O filme inicia-se com a tentativa destes dois elementos se tocarem pelos vértices das suas extremidades opostas ao centro que os liga. Este encontro, que resultaria numa estilização que oscila entre o signo de uma seta invertida e o de um coração, nunca se concretiza em todo o tempo da projecção de “O decorrer de outras coisas” (título emprestado a “The way things go” de Peter Fischli e David Weiss). Duas garras, um bigode, um par de asas, até o batman ou o robin, esta configuração da marca Nike, e seu simétrico, constitui a anatomia de uma inúmera possibilidade de significações, mas que ao longo das primeiras dezenas de segundos da animação se faz perceber do que se trata realmente.

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link