Exposições

Gerardo Burmester - 2011 Alguns Trabalhos Revisitados

21 de Janeiro a 3 Março 2012

No próximo dia 21 de Janeiro a Galeria Fernando Santos apresenta a exposição de obra recente de Gerardo Burmester, “2011 Alguns Trabalhos Revisitados” onde, e tal como nos sugere o título, o artista nos proporciona uma nova aproximação às técnicas e materiais que caracterizaram a sua Obra nos últimos anos.
Burmester apresenta-nos por um lado uma abordagem a materiais mais quentes e que induzem a uma maior proximidade tais como gessos, feltros industriais e pastéis secos, ao mesmo tempo que, por outro lado, cria uma distância ao utilizar na mesma proposta artística materiais mais frios como acrílicos e alumínios polidos, todos de alguma forma caracterizadores do conjunto da sua Obra mais recente.

A obra de Burmester revela-se hoje uma das mais significativas do contexto da arte contemporânea portuguesa, dentro da geração de artistas que surgiu na década de 80, tendo sido um dos artistas conceptuais de maior relevo da década de 70, e realizado instalações de flagrante originalidade estética e experimental.
Tendo praticado as linguagens artísticas da performance, pintura, escultura, desenho e instalação, Burmester construiu uma obra consistente que remete sobretudo para o papel peculiar que confere ao espectador.
Tal como referiu Miguel von Hafe Pérez: “Gerardo Burmester foi um dos autores que mais decisivamente contribuiu para a renovação do panorama artístico nacional nos anos oitenta, ainda que a sua actividade criativa tenha início na década de setenta. Ao tocar áreas tão distintas como a pintura, a performance, a escultura e a instalação, Burmester sempre reclamou para a sua prática artística a liberdade de utilizar diferentes meios para melhor instaurar um campo de reflexão estética que se serve do romantismo como suporte dialéctico para um olhar crítico perante a sociedade contemporânea.”

Breve nota biográfica

Gerardo Burmester (Porto, 1953)
Frequentou entre 1973 e 1974) a Escola Superior de Belas-Artes do Porto, cidade onde ainda hoje vive e trabalha. Entre 75 e 78 viveu em Paris.
Burmester inicia a apresentação do seu trabalho na segunda metade da década de 70, desenvolvendo várias acções performativas e configurando uma obra pictórica que associa referências neoromânticas à crítica irónica da condição da pintura e dos seus temas na situação portuguesa e internacional do momento. 
Foi membro do Grupo Puzzle e fundou e dirigiu em 82, com Albuquerque Mendes, o Espaço Lusitano, no Porto.
Em finais da década de 80, a obra de Burmester passa a utilizar o objecto e a instalação espacial como propostas de um teatro dos lugares por ela reinventados, aproximando e distanciando o espectador em jogos de sedução visual tão atractivos quanto frios no perfeccionismo intocável dos materiais utilizados.

A Obra de Gerardo Burmester integra actualmente as principais colecções públicas e privadas de arte contemporânea nacionais, fazendo igualmente parte de algumas importantes colecções no país vizinho.
O Artista expôs ao longo da sua carreira em importantes Museus e instituições, com especial destaque para a exposição de 1998 no Museu de Serralves, sob a programação de Vicente Todoli e comissariado de João Fernandes.

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link