Exposições

João Jacinto - desde amanhã

inauguração: 09 Junho pelas 16h00
pré-inauguração: 08 Junho pelas 22h00
patente até 31 Julho 2012

A Galeria Fernando Santos apresenta a partir do próximo dia 9 de Junho a exposição "Desde Amanhã" de João Jacinto (Mafra, 1966) podendo ser visitada até ao dia 31 de Julho.
Apresenta-se desta feita um conjunto de pinturas (obra sobre papel) que, e segundo o próprio artista, deverão ser vistas como um percurso paralelo, e não oposto, ao trabalho que de uma forma mais imediata o identifica, as suas pinturas (sobre tela) matéricas, densas e volumosas, onde explora ao limite os materiais e cujo resultado poderá ser visto como uma inferência de acaso e intenção num processo incessante,  como as que nos apresentou na sua última exposição na Galeria Fernando Santos sob o título "Pele Atrasada".

Ambas as linhas de trabalho, pintura sobre papel/pintura sobre tela, têm no artista uma origem muito próxima, a tradição da pintura. Poderão distinguir-se, no entanto, e  unicamente pela aparência imediata, pelo carácter de representação e construção de uma imagem em função da observação, ou dito de outro modo, a tradição da figuração por um lado, e a inexistência de obrigatoriedade de representação de uma qualquer realidade, ou dito de outro modo a tradição da abstracção por outro.

Acerca desta e de outras problemáticas actuais, o próprio artista reflecte:

"Espera-se do pintor uma explicação? Algumas palavras que ajudem a entender? Mas entender o quê? Ou tudo o que se pede é apenas uma decorativa moldura de palavras?

Na sua “irónica” teoria da arte, Ad Reinhardt caricaturava a necessidade demonstrada pelo cidadão comum, de saber o que uma pintura abstracta significava. Anos mais tarde Philip Guston, na altura já pintor ex-abstracto, insurgia-se contra a pergunta “What’s that?”, que o critico Tom Hess lhe dirigiu frente a uma das suas novas pinturas figurativas. Respondeu-lhe Guston: "For Christ’s sake, Tom, if this were eleven feet of one color, with one band running down on the end, you wouldn’t ask me what it was."

Recentemente o pintor inglês Frank Auerbach declinou o convite que lhe tinha sido dirigido para participar num programa televisivo intitulado “Desmistificar a Pintura”, argumentando que a pintura era um ofício misterioso e que nada havia a desmistificar. Acrescentava repudiar a concepção do pintor como um sujeito abordável, que por acaso pintava. 

Ser pintor é ser outrem («homeless», como Greenberg dizia dos que não lhe seguiam a palavra). É ser-se a mão estrangeira lentamente a emigrar para a que pinta.

E a razão porque se faz, ou antes, a obsessão de pintar, é (roubando as palavras a uma aula de Levinas intitulada "A Subjectividade como An-Arquia") um desequilíbrio, um delírio que surpreende a origem, que se levanta mais cedo do que a origem.
Desde amanhã."

João Jacinto, 29 de Maio de 2012

COOLIDGE, Clark (Edit), Philip Guston, collected writings, lectures, and conversations, University of California Press, Berkeley, 2011, pag. 282.
LEVINAS, Emmanuel, Deus, a Morte e o Tempo, Almedina, Coimbra, 2003, pag.189.

“...O João trabalha a horas certas, com temas certos. Três ou quatro vezes por semana vai lá fazer isto: mexer aquele mar de cores até haver uma pintura ou desenhar casas de pintores mortos ou desenhar auto-retratos a partir sempre de um mesmo pequeno e embaciento espelho ou desenhar uma rosa a partir de uma mesma foto que a cada dia se antiga mais. Abstração, imaginação, desenho de modelo, versões de uma imagem: quatro direcções. Pinturas a muitíssimo óleo sobre tela, desenhos a carvão e cinza de charuto sobre papel. Eis o programa. E chega. Quatro direcções: vai para todo o lado. Totalmente livre, só faz aquilo. Não me parece que tão cedo o programa mude. Agora o fazer: não sabe, faz. Isto, dito, é demasiado um lugar comum; é preciso ver o não-saber dele para se saber directamente o quanto o que ele faz é sobretudo extrema inteligência plástica somatizada, não sabida. O João sabe muito bem que na maioria das vezes o melhor é estar calado e simplesmente fazer. As suas pinturas não têm título. Porque ninguém sabe, acrescentaria eu. Pintura para ele seria talvez: como nunca saber e insistir sempre em fazê-lo, com cores ferozes de afectividade. É também o modo como as suas extensas leituras suam através das mãos caladas...”


“Encontrar petróleo dentro de quatro paredes”
João Jacinto por Daniel Melim in oinfinitoaoespelho.blogspot.pt

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link