Exposições

Nikias Skapinakis - Pintura 2009/2013

Nikias Skapinakis
Pintura 2009/2013
20.04 a 25.05.2013

A Galeria Fernando Santos apresenta a partir do dia 20 de Abril, a exposição "Pintura" de Nikias Skapinakis.

Trata-se de uma exposição de obra recente do artista que é reconhecido como um dos nomes mais relevantes da arte portuguesa na segunda metade do século XX.

Mantendo a abrangência de registos e o domínio da cor que lhe são característicos, numa pintura que "não é abstracta mas sim metafisica" Nikias Skapinakis apresenta uma peça de grandes dimensões datada de1990, "Lago de Cobre", que serviu de base a duas novas séries, inéditas, de óleos sobre tela e guaches sobre papel da qual conservam a mesma denominação: “Lago de Cobre”, 1990, continua o paisagismo de “Vale dos Reis”- série concluída em1987 - e dá origem às séries recentes de óleos e guaches que mantêm o mesmo título."
Da recente exposição antológica comissariada por Raquel Henriques da Silva e levada a cabo no Museu Berardo, "Nikias Skapinakis-Presente e Passado 2012-1950", apresenta-se "Jardins de Arcádia", uma tela com 10 metros de comprimento em forma de cortina datada de 2010 que "é pintada à medida que é desenrolada. Pintada à medida que é vivida".

O Atelier de Tàpies, O Quarto de Banho de Marcel Duchamp e o Quarto de Raymond Roussel são as 3 obras mais recentes da série "Quartos Imaginários" que finalizam a mostra, "desenvolvidos a partir de 2001 descendem, do ponto de vista formal, da série “Paisagens Imprevistas”, das quais  conservam um espaço delimitado pelo desenho a negro.
Embora, em alguns casos, integrem elementos iconográficos, projectam, sobretudo, um ambiente relacionado com a minha interpretação  da vida e obra de autores – pintores, poetas, escultores – que  especialmente aprecio e que gostaria de ter conhecido." NS


Nikias Skapinakis, de ascendência grega, nasceu em Lisboa em 1931.
Frequentou o curso de arquitectura, que abandonou para se dedicar à pintura, actividade que mantém regularmente até ao presente.
Começou por expor em 1948, nas Exposições Gerais de Artes Plásticas e, desde então, realizou diversas exposições individuais e participou em diversas colectivas, em Portugal e no estrangeiro.
Além da pintura a óleo, como actividade dominante, dedicou-se à litografia, serigrafia e ilustração de livros. Entre outras obras, ilustrou “Quando os Lobos Uivam” de Aquilino Ribeiro (Livraria Bertrand, 1958) e “Andamento Holandês”, de Vitorino Nemésio (Imprensa Nacional, 1983).  Executou litografias para o Congresso de Psicanálise de Línguas Românicas (1968) e para o Cinquentenário do Banco Português do Atlântico (1969).  Executou serigrafias para Kompass (1973).
É autor de um dos painéis do Café “A Brasileira do Chiado” (1971) e participou na execução do painel comemorativo do 10 de Junho de 1974.
Em 1963 obteve a Bolsa Malhoa da Sociedade Nacional de Belas Artes.
Em 1976-77 foi-lhe concedido um subsídio para investigação pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Em 1985, o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian mostrou uma exposição antológica da sua pintura, completada com uma retrospectiva da obra gráfica e guaches na Sociedade Nacional de Belas Artes.
Em 1990 foi-lhe atribuído o prémio da crítica  A.I.C.A – S.E.C.
Em 1993 apresentou no Palácio Galveias (C.M.L.) uma antologia de desenhos realizados entre 1985 e 1993.
Em 1996, o Museu do Chiado realizou uma retrospectiva de retratos (1955-1974).
Em 2000 o Museu de Arte Moderna da Fundação de Serralves apresentou a exposição antológica “Prospectiva 1966-2000”.
Em 2005 foi-lhe atribuído o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso e realizou um painel em cerâmica  para o  Metropolitano de Lisboa.
Em 2006 a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva apresentou a série de pinturas “Quartos Imaginários” relativa a quartos de dormir e a ateliers de diversos pintores e poetas e foi-lhe atribuído o Prémio de Arte  Casino da Póvoa.
Em 2007 foi realizado para a televisão um filme documental sobre o conjunto da sua obra.
Em 2009 realizou no Centro Cultural de Cascais a exposição “Desenho a Preto e Branco e a Cores”, abrangendo a obra gráfica entre 1958 e 2009.  Realizou também a pintura “Paisagem –Bandeira Portuguesa” alusiva à Bandeira Nacional e integrada nas Comemorações do Centenário da República.
Em 2012, o Museu Colecção Berardo apresentou a exposição antológica "Presente e Passado, 2012-1950".
Em 2013 é Prémio de Artes Plásticas, (Melhor exposição 2012) atribuido pela Sociedade Portuguesa de Autores pela exposição "Presente e Passado 2012-1950", Museu Berardo, Lisboa.
Tem publicado textos de intervenção crítica em diversos jornais e revistas.
Vive e trabalha em Lisboa.

 
 
 

2015 GALERIA FERNANDO SANTOS

all rights reserved © web project see link